Seguidores

domingo, 28 de abril de 2013

- Definição do novo preço mínimo para o café é adiada para segunda-feira, dia 29 de abril - cnc

BALANÇO SEMANAL — 22 a 26/04/2013
- Definição do novo preço mínimo para o café é adiada para segunda-feira, dia 29 de abril

PREÇO MÍNIMO PARA O CAFÉ — A reunião ordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN), prevista para ontem, dia 25, foi adiada para a segunda-feira da próxima semana. Dessa forma, continuamos trabalhando para a aprovação de um novo preço mínimo para o café próximo à realidade dos custos de produção de nossas lavouras e aguardando a definição dos valores a serem repassados pelo Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) às linhas de financiamento de Custeio, Colheita, Estocagem e FAC.
REAJUSTE DO PREÇO MÍNIMO X INFLAÇÃO — Nas duas últimas semanas, foram divulgadas, na mídia, críticas e preocupações quanto ao reajuste do preço mínimo do café e seu impacto na inflação brasileira, com base em argumentos infundados e que ignoram a situação de crise enfrentada pelos produtores de arábica de todo o planeta.
O reajuste do preço mínimo não significa apenas uma resposta à atual crise, mas, principalmente, a sinalização de um objetivo de longo prazo, que norteará a alocação dos recursos pelo setor produtivo. Se esse objetivo continuar abaixo do custo de produção, indicando que o produtor operará com margens negativas, teremos como consequência a anulação de investimentos e tratos culturais, o retorno de bienalidades acentuadas e retração de oferta, com impacto direto nas economias dos municípios em que a cafeicultura é um forte motor do desenvolvimento econômico e social. Ressaltamos que, apenas em Minas Gerais, o café é cultivado em aproximadamente 680 municípios.
O reajuste solicitado pelo setor produtivo visa à cobertura dos custos de produção de café, com base em levantamento realizado pelo próprio Governo, por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Esse reajuste reflete um aumento de 30% em relação ao preço mínimo congelado desde 2009, em R$ 261,69/sc. Destacamos que esse percentual é inferior à inflação acumulada do grupo “alimentação e bebidas” do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que foi de 33% no mesmo período.
Os preços praticados atualmente no mercado do arábica estão ao redor de R$ 300/saca, ou seja, R$ 40 inferiores ao valor de referência solicitado. Um exercício teórico sobre um possível peso da alteração do preço mínimo ao consumidor final resulta que um acréscimo de R$ 40 na saca do café verde equivaleria a um aumento inferior a R$ 0,01 na xícara de café expresso. Sendo assim, há motivos para tanto alarde quanto ao aumento da inflação?
Lembramos que a crise do tomate, recentemente elevado ao status de vilão da inflação, deveu-se à forte retração de oferta desse produto, em função de um período anterior de preços pouco remuneradores aos seus agricultores e condições climáticas adversas. Por essa lógica, não socorrer a cafeicultura, que opera com remuneração abaixo dos custos, somente levará a uma retração futura de oferta de café em um cenário de crescimento anual da ordem de 4% no consumo doméstico, resultando em aumento de preço aos consumidores nas próximas temporadas. E, aí sim, o café poderá se tornar o novo vilão da inflação.
MERCADO
- As cotações internacionais do arábica e do robusta acumularam perdas até a quinta-feira. Na bolsa de Nova York, o contrato C, com vencimento em julho de 2013, recuou 580 pontos em relação ao fechamento da semana anterior. A continuidade das especulações sobre o volume disponível de café no Brasil e incertezas quanto aos resultados da reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN)
— adiada para 29 de abril — puxaram essa tendência. A forte queda do conilon no terminal londrino também tornou difícil a sustentação dos preços do arábica, com o distanciamento da arbitragem entre as bolsas.
Os contratos do robusta na Euronext Liffe, com vencimento em julho de 2013, depreciaram-se cerca de US$ 107 por tonelada, indicando realização de lucros após os elevados patamares da semana anterior. Contribuiu para esse cenário a notícia de antecipação do início do período chuvoso no Vietnã, pois os agentes de mercado especulam que a colheita poderá começar mais cedo naquele país e que as exportações serão mais elevadas no último trimestre deste ano.
Porém, as perspectivas no médio prazo para o robusta continuam de preços firmes, pois a demanda está aquecida, os estoques não têm apresentado variação positiva significativa, as exportações vietnamitas deverão cair 30,4% em abril frente ao mês anterior e a Indonésia também registra baixos volumes de embarques.
No mercado doméstico, a colheita do robusta está ganhando ritmo, mas a comercialização é pontual.
O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) avalia que as sacas do café colhido na safra passada estão apenas de R$ 5,00 a R$ 10,00 superiores ao valor negociado pelo produto recém-colhido. A volatilidade do mercado e a expectativa quanto às medidas a serem adotadas pelo Governo Federal no apoio à comercialização do café refletiram no fechamento de poucos negócios de ambas as variedades.

image1
 image2



Atenciosamente,


Dep. federal Silas Brasileiro
Presidente Executivo do CNC

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe squi seu recado.
Agradecemos sua visita.
esperamos ter ajudado
Envie o seu trabalho para postarmos no blog
Obrigada pela visita